- Amora: propriedades nutricionais
Esta página já teve 134.642.303 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.669 acessos diários
home | entre em contato
 

Nutrologia/Alimentos/Nutrição

Amora: propriedades nutricionais

27/01/2010
PROPRIEDADES NUTRICIONAIS DA AMORA
 
 


O Todafruta agradece a valiosa colaboração do Dr.Edson Credidio - Médico Nutrólogo, Título de Especialista em “Gestão da Qualidade e Segurança dos Alimentos” pela Unicamp , Coordenador do Sistema Nutrosoft , Coordenador do Selo ABRAN , Diretor da ABRAN - credidio@terra.com.br

1º-INTRODUÇÃO

A amoreira-preta é uma frutífera de grande potencial para as regiões brasileiras com período de inverno marcante e propícia para pequenas propriedades agrícolas. Os frutos podem ser utilizados para consumo in natura e para produção de geleificados e doces caseiros, sendo assim, potencial para as famílias que trabalham com o ecoturismo regional. Além destas características, praticamente não necessita de insumos químicos, sendo ótima opção para o cultivo orgânico, além das propriedades nutricionais e medicinais dos frutos.A amoreira preta é uma frutífera da família "Rosaceae", bastanterústica e de fácil manejo, de grande potencial para as regiões brasileiras com período de inverno marcante e propícia para pequenas propriedades agrícolas.

Os frutos podem ser utilizados para consumo "in natura" e para produção de geléias, sucos, sorvetes, polpas, conservas, fermentos, iogurtes, doces, tortas, bolos, compotas ou transformadas em vinhos, licores e xaropes. As folhas (chá) e brotos são anti - diarréicos poderosos.Além destas características, praticamente não necessita de insumos químicos, sendo ótima opção para o cultivo orgânico, com propriedades nutricionais e medicinais dos frutos.Informações mais recentes de pesquisas, têm demonstrado um maior potencial na utilização da amora preta como um corante artificial. Uma das grandes descobertas é que o uso da amora preta vem se expandindo para fins medicinais, como uma planta anti-cancerígena, pela ação do ácido elágico e também no combate a osteoporose, devido a sua concentração elevada de cálcio (46mg/100g fruto). Outra utilização crescente, é como tônico muscular nas práticas desportivas, pois alto teor de potássio é encontrado no fruto (245mg/100g fruto). O fruto da amoreira é depurativo do sangue, anti-séptico, vermífugo, digestivo, calmante, diurético, laxativo, refrescante, adstringente, etc. Poderosas propriedades anti-oxidantes por sua combinação de vitaminas C com E. A amora preta contém pectina em abundância, uma fibra solúvel que ajuda a reduzir os níveis de colesterol no sangue. E muito recomendável aos que tem o organismo saturado de ácidos, como os que sofrem de reumatismo, gota, artrite, etc. O suco de amora, quente, adoçado com mel, tem bons resultados em casos de afecções da garganta, amidalite, rouquidão, inflamação das cordas vocais, das gengivas, aftas, etc. As flores frescas são diuréticas e muito úteis no tratamento das vias urinarias.

A amora preta se encontra entre os alimentos que ajudam a diminuir o colesterol. De acordo a um estudo publicado pela revista Jornal of Neuroscience, as propriedades nutritivas das amoras pretas conservam o equilíbrio, a memória e a coordenação motora das pessoas de idade avançada.Existe um número elevado de espécies dentro do gênero, perto de 300. Sua origem não é muito definida (provavelmente da Ásia, introduzidas na Europa por volta do século XVII), possuindo características de adaptação climática muito variadas, podendo encontrar cultivaros com exigência de frio (abaixo de 7,2 C) desde 100 horas ate 1000 horas/ano para quebra de dormência. A cultivada pela Fazenda Sta. Terezinha do Rio Bonito, é muito semelhante a variedade Ollalie (USA) esta totalmente adaptada as nossas condições climáticas, após 8 anos de experiências e 3 anos de produção comercial.A amora preta se desenvolve bem em diversos tipos de solos, mas bem drenados, com pH entre 5,5 a 6,5.Pode-se utilizar irrigação, desde que sem exagero. É de porte ereto ou rasteiro, podendo atingir ate 2 metros de altura. As podas são necessárias para limpeza e frutificação. A longevidade é de 15 anos.

2º-TRABALHOS CIENTÍFICOS SOBRE O FRUTO

2.1-A amoreira-preta in natura é altamente nutritiva. Contém 85% de água, 10% de carboidratos, com elevado conteúdo de minerais, vitaminas B, A e cálcio. Pode ser consumida de outras formas como geléias, suco, sorvete e yogurtes (POLING, 1996).

2.2-Uma série de funções e constituintes químicos são relatados na literatura internacional relacionados às qualidades da amora-preta, estando, entre eles, o ácido elágico.

2.3-Segundo WANG et al. (1994), o ácido elágico (C14H6O8) foi encontrado em morango (Fragaria spp), groselha preta (Ribes nigrum), amoreira-preta (Rubus subgênero Eubatus), framboesa (Rubus subgênero Idaeobatus), entre outras espécies.

2.4-O ácido elágico um constituinte fenólico de algumas espécies, é um hidrolito de elagitanina que ocorre naturalmente, especialmente em frutas e nozes [Singleton et al. (1996), Bate-Smith (1961a., 1961b), Daniel et al. (1989), apud WANG et al., 1994)].

2.5-Foi demonstrado que o ácido elágico possui funções anti-mutagênica, anticancerígena e além de ser um potente inibidor da indução química do câncer [Okuda et al.(1985), Maas et al. (1992) citados por WANG et al. (1994); MAAS et al., (1991 a)].

2.6-O ácido elágico e alguns elagitaninos têm mostrado propriedades inibidoras contra replicação do vírus HIV transmissor da Aids [Asanaka et al. (1988), Take et al. (1989), apud MAAS et al., (1991 a)]. Os estudos de Asanaka com ratos sugerem que o elagitanino oenotherin B pode ser usado via oral para inibir o HIV e o vírus da herpes (MAAS et al., 1991b).

2.7-Além disso, são atribuídas às frutas de amoreira-preta outras propriedades, como o controle de hemorragias em animais e seres humanos, controle da pressão arterial e efeito sedativo, complexação com metais, função antioxidante, ação contra crescimento e alimentação de insetos [Girolami et al. (1966), Cliffton (1967), Bhargava et al. (1968) apud MAAS et al., 1991a].

2.8-O ácido elágico é um derivado do ácido gálico, e como fenol, possui algumas propriedades de compostos fenólicos (WANG et al., 1994). Em tecidos de morango, foi associado a substâncias polifenólicas inibidoras da degradação do ácido indolbutírico (AIA) pela peroxidase, em presença de luz. Já na ausência de luz, a presença de monofenóis propicia o aumento da atividade da peroxidase (Runkova et al., 1972 apud MAAS et al., 1991).

2.9-MAAS et al. (1991a), trabalhando com cultivares de morango, não conseguiram correlacionar a quantidade de ácido elágico encontrada em diferentes porções da planta (polpa e folhas), indicando que a seleção de variedades para o ácido elágico pode ser específica para determinado tipo de tecido.

3º-CADEIA PRODUTIVA

CULTIVARES LANÇADAS NO BRASIL


Ébano-Selecionada em 1977, na antiga UEPAE de Cascata, foi testada com Black 44. Originou-se de uma população F2, do cruzamento entre as variedades ’Comanche’ x (’Thronfree’ x ’Brazos’) realizada na Arkansas Agricultural Experiment Station, Universidade de Arkansas (EUA). Planta de hábito semi-ereto, livre de espinhos, possui hastes vigorosas. Apresenta frutas de tamanho grande (6 a 7g) e razoavelmente firme, ácidos, maturação desuniforme (BASSOLS & MOORE, 1981 a, b; RASEIRA et al., 1984).Na região de Pelotas e Canguçu (RS), a colheita é realizada de dezembro a fim de janeiro ou início de fevereiro. É recomendada para regiões com acúmulo de frio em torno de 400 horas (NUNES & GONSALVES, 1981).

Negrita-Oriunda de sementes introduzidas da Universidade de Arkansas, EUA, em 1975, como A-771. Foi testada como Black 32, sendo proveniente do cruzamento entre ’Comanche’ x (’Thronfree’ x ’Brazos’). Foi selecionada devido à firmeza das frutas e ao porte ereto das plantas. A densidade de espinhos entretanto é alta. Cultivar destinada à industrialização, foi lançada em 1983 pela EMBRAPA Clima Temperado (RASEIRA, 1999 – informe verbal).

Tupy- Resultado do cruzamento entre as cultivares ’Uruguai’ x ’Comanche’, realizado na EMBRAPA Clima Temperado em 1982, os "seedlings" foram avaliados no campo experimental, sendo que a seleção C.4.82.5 deu origem à cultivar. A variedade ’Tupy’ apresenta plantas de porte ereto, com espinho. Produz frutas grandes (6 gramas), coloração preta e uniforme, sabor equilibrado em acidez e açúcar, consistente e firme, semente pequena, película resistente e aroma ativo. Durante três anos de avaliação produziu 3,8kg/planta/ano no Rio Grande do Sul. É recomendado para o consumo in natura pelo fato de apresentar baixa acidez (SANTOS & RASEIRA, 1988).

Guarani- Foi selecionada no Brasil a partir de cruzamento realizado nos EUA (Arkansas) entre as variedades ’Lawton’ x (’Darrow’ x ’Brazos’) x (’Shaffer Tree’ x ’Brazos’), sob o número 799-8. Planta de porte ereto, com espinhos, vigorosa, produz frutas de coloração preta, tamanho médio (5g), firme, película resistente, aroma ativo. Durante quatro anos de avaliação, na região de Pelotas (RS), produziu 3,6kg/planta/ano. É recomendado para o consumo in natura e industrialização (SANTOS & RASEIRA, 1988).

Caingangue- Originária de uma população F2, do cruzamento ’Cherokee’ x ’Black 1’ (’Shaffer Tree’ x ’Brazos’), denominada C.3.82.16, foi lançada em 1992 pelo CPACT. Planta vigorosa, ereta, com presença de espinhos e boa capacidade de multiplicação. Apresenta brotação na primeira dezena de agosto; floração plena na primeira dezena de outubro e produção da segunda dezena de novembro a segunda de dezembro. Sabor equilibrado entre ácidos e açúcares; fruta firme e de aroma ativo. Pouco exigente em frio, sendo recomendada para regiões com disponibilidade em torno de 200 horas de frio hibernal (RASEIRA et al., 1992).

As cultivares introduzidas inicialmente no Brasil vieram do Texas e de Arkansas, existindo um número elevado de variedades que são citadas na literatura, desenvolvidas em outros programas de melhoramento.

4º-ASPECTOS FENOLÓGICOS

Sendo planta exigente em frio, os aspectos fenológicos da amoreira-preta podem variar de ano para ano, em função desta exigência em frio ter sido ou não satisfeita. Nas condições do Rio Grande do Sul, a cultivar Ébano inicia a floração na segunda quinzena de outubro, estendendo-se até o início de novembro, sendo que o período de colheita vai de meados de dezembro a início de fevereiro (BASSOLS & MOORE, 1981a/1981b; NUNES & GONÇALVES, 1981; EMBRAPA, 1981).Segundo RASEIRA et al. (1992) a variedade Caingangue, em Pelotas (RS), tem plena floração na primeira dezena de outubro e período de produção da segunda dezena de novembro à segunda dezena de dezembro, com produção média de 3,45kg/planta e peso médio de 5,6g/fruto.A floração da ’Tupy’, no Rio Grande do Sul, dá-se do final de agosto à segunda dezena de setembro e a colheita na terceira dezena de novembro à segunda de dezembro (SANTOS & RASEIRA, 1988). Já a ’Guarani’ tem floração durante todo o mês de setembro e primeira dezena de outubro, com período de colheita estendendo-se pelo mês de dezembro (SANTOS & RASEIRA, 1988). Em contrapartida, PERUZZO et al. (1995) observaram, em Videira (SC), que a cultivar Brazos iniciou a floração na segunda dezena de setembro e ’Caingangue’ na terceira dezena. ’Tupy’, ’Comanche’, ’Guarani’, ’Cherokee’ e ’Ébano’ floresceram durante o mês de outubro. Sendo que a produção estendeu-se da segunda dezena de novembro até a terceira dezena de janeiro.No Planalto de Poços de Caldas, Minas Gerais, as variedades Brazos e Comanche são as mais precoces tanto em floração como em produção. A variedade mais produtiva foi Brazos (5,3kg/planta), seguida de Guarani (4,7kg/planta), Tupy (3,6kg/planta) e Comanche (3,4kg/planta), sendo que a primeira foi a mais vigorosa em produção de material vegetal (ANTUNES et al., 2000b) A produção concentrada de amoras a partir de novembro, nos principais estados produtores, causa redução de preço, devido ao maior volume ofertado. A antecipação da oferta de frutas, seja pelo manejo da cultura, seja pelas condições climáticas existentes numa região, pode criar uma oportunidade de mercado bastante favorável ao produtor rural.


PROPAGAÇÃO - A propagação da amoreira-preta se faz através de estacas de raízes (CALDWELL, 1984) as quais estas, por ocasião do repouso vegetativo, são preparadas e enviveiradas em sacolas plásticas. Podem também ser usados brotos (rebentos), originados das plantas cultivadas. O uso de estacas herbáceas é uma das alternativas viáveis (RASEIRA et al., 1984; PERUZZO et al., 1995). Além destes, a multiplicação através da cultura de tecidos já é bem conhecida.A multiplicação através de perfilhos retirados das entrelinhas de cultivo pode ser realizada, em muitos casos não há número suficiente de mudas e estas normalmente estão com tamanhos irregulares, além do estresse que pode ser causado no sistema radicular da planta-mãe.O perfilhamento da cultura é elevado, aparecendo muitas brotações, entre as linhas de plantio, que devem ser sistematicamente eliminadas para que se evite a obstrução do deslocamento de pessoal e máquinas pela cultura. Os perfilhos eliminados podem ser utilizados como mudas. WALDO (1977) relata que formas de amoreira-preta com espinhos, na costa do pacífico norte da América do Norte, Austrália e Nova Zelândia, são ’pragas’, sendo ’Himalaya’ (Rubus procerus P.J. Muell.) uma da plantas daninhas mais agressivas. Segundo PERUZZO et al. (1995), a multiplicação rápida de mudas de amoreira-preta pode ser conseguida através do enraizamento de estacas herbáceas, sob nebulização e preparadas com quatro a cinco gemas, sendo que a produção de mudas por este método pode ser conseguida durante todo o período de crescimento da planta matriz. STOUTEMYER et al. (1933) citam como método rápido de propagação da amoreira-preta e framboeseira a utilização de um pequeno segmento da haste da planta com gema foliar, colocadas sob nebulização e em substrato constituído por areia.A utilização de estacas lenhosas na propagação da amoreira-preta não é uma prática usual, entretanto, após o período de dormência, face à poda realizada, obtém-se um grande número de estacas. Caso estas estacas possuam bom potencial de enraizamento, podem ser utilizadas para este fim. ANTUNES et al. (2000a) trabalhando com estacas lenhosas de amoreira-preta, observaram que a cultivar Caingangue apresentou maior vigor em desenvolvimento que as demais cultivares testadas, refletindo em maior peso seco de parte aérea (2.060mg) e raiz (660mg). Os maiores porcentuais de enraizamento e brotação foram, respectivamente das cultivares Brazos (97,9; 97,9), Guarani (95,8; 93,7), Tupy (93,7; 97,4), Caingangue (93,7; 95,8) e Ébano (89,5; 93,7). As cultivares Comanche e Cherokee e seleção 97 apresentaram resultados inferiores a 50% em todas as características avaliadas.

SISTEMA DE CULTIVO - Segundo RASEIRA et al. (1984), a amoreira-preta desenvolve-se bem em solos drenados e medianamente ácidos (pH 5,5 a 6,5). O manejo das plantas é simples, devendo-se tomar maiores cuidados com a adubação, controle de invasoras, podas de limpeza e desponte e, particularmente com a colheita, devido à elevada sensibilidade dos frutas. Algumas das cultivares plantadas no Brasil necessitam de tutor para suportar o peso das hastes e da produção. Normalmente, isto é feito através de um sistema de espaldeira dupla.

COMERCIALIZAÇÃO E MERCADO

Entre as principaiscaracterísticas desejáveis para uma cultivar visando o mercado de frutas ’in natura’ estão a produtividade, o tamanho e equilíbrio açúcar/acidez dos frutas, bem como a sua capacidade de resistência ao transporte e armazenamento.Em relação ao ponto de colheita, este é determinado quando o fruto estiver totalmente preto, devendo a colheita ser realizada a cada dois a três dias (BASSOLS, 1980; RASEIRA et al., 1984). Quanto à forma de comercialização, observa-se, no mercado ’in natura’, a presença de embalagens semelhantes às utilizadas para morango, nas quais, em cada bandeja, são ofertados em torno de 120 a 150 gramas de frutas de amoreira-preta.

Já com destino à industrialização, BASSOLS & MOORE (1981 b) citam que, para a cultivar Ébano, as frutas podem ser congeladas, enlatadas ou usadas para adicionar cor e sabor a iogurtes e sorvetes ou para o fabrico de sucos, observações estas, que a princípio, serviriam para outras cultivares.A ausência de espinhos é também uma característica desejável (PERUZZO et al., 1995), uma vez que vários produtores adotam o esquema em que o consumidor colhe a própria fruta, como já experimentado com sucesso em hortaliças, e mesmo com amoreira-preta, nos EUA. A amoreira-preta geralmente tem muitos espinhos, mas esta densidade pode variar consideravelmente entre cultivares, sendo que algumas delas são totalmente desprovidas de espinhos (ELLIS et al., 1991).As informações estatísticas sobre a produção e comercialização de amora-preta, no Brasil, são muito escassas. Entretanto, segundo a evolução de preços e volume, apresentados pela CEASA-RS, a safra gaúcha é iniciada em outubro, a US$ 2,54kg, reduzindo paulatinamente a 1,90, 1,52 e 1,44 respectivamente em novembro, dezembro e janeiro. Pode haver alguma oferta sazonal, como em agosto de 1997, em que o preço do quilo da amoreira-preta alcançou US$ 4,58, frutas estas provenientes de São Paulo. O principal município produtor gaúcho é Feliz

ASPECTOS DA PÓS-COLHEITA

MORRIS et al. (1981) mencionam que, devido à estrutura frágil e alta taxa respiratória de frutas de amoreira-preta, sua vida pós-colheita é relativamente curta, o que também é corroborado por Hardenbug et al. (1986), apud PERKINS-VEAZIE et al. (1997). Estes mesmos autores citam Clark (1992) quando relatam que a firmeza do fruto colhido influencia na vida de prateleira, haja visto que estes podem ser facilmente danificados no manuseio facilitando a infeccção por patógenos.Segundo Hardenburg et al. (1986), apud PERKINS-VEAZIE et al. (1993 / 1996), a recomendação usual de armazenamento para amoreira-preta é de 2 a 3 dias quando mantidas a 0oC. Contudo, estes mesmos autores citam que Clark e Moore (1990), trabalhando com cultivares eretas de amoreira-preta, mantiveram os frutas com qualidade durante 7 dias à temperatura de 5oC.Em frutos de amora-preta conservadas sob atmosfera modificada, ANTUNES (1999) observou que houve aumento do porcentual de solubilidade de pectina e pectina solúvel, para ’Brazos’ e ’Comanche’, durante o armazenamento, ocorrendo redução de pectina total e compostos fenólicos totais. As cultivares Brazos e Comanche conservaram-se melhor em ambiente refrigerado (2ºC), podendo ser armazenadas com qualidade até nove dias depois de colhidas, a partir daí iniciam processo de deterioração. Frutas da cultivar Comanche apresentaram melhores características para a industrialização e conservação da qualidade pós-colheita devido às maiores concentrações de pectina total em relação às de Brazos. Este autor sugere que, para a melhor conservação dos frutos de amora-preta, seja utilizado cadeia de frio em todo o processo pós-colheita.

DOENÇAS E PRAGAS


Uma das principais doenças da cultura é a antracnose [(Elsinoe veneta (Burkh) Jenkins, fase imperfeita Sphaceloma necator (Elis e Everh.)], podendo levar à morte das hastes de frutificação (TRAVIS & RYTTER, 1991).Outra doença bastante importante na cultura é chamada de enrosetamento (Cercosporella rubi (G. Wint) Plakidas), que ataca cultivares eretas e decumbentes, sendo limitante para o gênero Rubus. Os sintomas são o aparecimento de rosetas que podem resultar numa mudança de fenótipo da planta, provocando redução de produção, da qualidade das frutas e em casos severos, até a morte da haste (SMITH & FOX, 1991).Nas condições do Rio Grande do Sul, foi verificada a presença de ferrugem nas folhas e podridões causadas por Botrytis nas frutas, além da incidência de ácaros e lagartas que causam enrolamento das folhas (BASSOLS, 1980; RASEIRA et al., 1984).Segundo MOORE et al. (1974 a,b), as cultivares Cherokee e Comanche são moderadamente resistentes à antracnose causada por Elsinoe veneta veneta, não sendo observado a ocorrência de ferrugem (Kunkelia

5º-TABELA NUTRICIONAL
2.1-Amora Crua, Nome científico: Morus nigra



2.2-AMORA-PRETA, CRU
Nome científico: Rubus spp



2.3-Amora-preta, congelada



Fonte: USDA Nutrient Database for Standard Reference, Release 14

6-REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANTUNES, L.E.C. Aspectos fenológicos, propagação e conservação pós-colheita de frutas de amoreira-preta (Rubus spp) no sul de Minas Gerais. Lavras, 1999. 129p. Tese (Doutorado em Fitotecnia) – Curso de Pós-graduação em Agronomia, Universidade Federal de Lavras, 1999.
ANTUNES, L.E.C.; CHALFUN, N.N.J.; REGINA, M. de A., et al. Fenologia e produção de variedades de amora-preta nas condições do planalto de Poços de Caldas. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.22, n.1, p.89-95, 2000a.
ANTUNES, L.E.C.; CHALFUN, N.N.J.; REGINA, M. de A. Propagação de cultivares de amoreira-preta (Rubus spp) através de estacas lenhosas. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.22, n.2, p.195-199, 2000b.
ANTUNES, L.E.C.; CHALFUN, N.N.J.; REGINA, M. de A., et al. Blossom and ripening periods of blackberry varieties in Brazil. Journal American Pomological Society, Massachusetts, v.54, n.4, p.164-168, 2000c.
BASSOLS, M. do C. A cultura da amora preta. Pelotas : EMBRAPA/UEPAE de Cascata, 1980. 11p. (Circular Técnica, 4).
BASSOLS, M. do C.M.; MOORE, J.N. ’Ébano’ thornless blackberry. Hortscience, Alexandria, v. 16, n.5, p. 686-687, 1981a.
BASSOLS, M. do C.; MOORE, J.N. ’Ébano’ primeira cultivar de amoreira-preta sem espinhos lançada no Brasil. Pelotas : EMBRAPA UEPAE de Cascata, 1981b. 16p. (EMBRAPA Doc., 2).
CALDWELL, J.D. Blackberry propagation. HortScience, Alexandria, v.19, n.2, p.193-195. 1984.
ELLIS, M.A.. CONVERSE, R.H.; WILLIANS, R.N., et al. Compendium of raspberry and blackberry diseases and insects. St. Paul : APS, 1991. 100p.
EMBRAPA. Lançamento de cultivares 1981. Pelotas : UEPAE de Cascata, 1981. 16p. (Documentos, 1).
FACCHINELLO, J.C.; HOFFMANN, A.; SANTOS, A.M. dos. Amoreira-preta, framboesa e mirtilo: pequenos frutos para o sul do Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 13, 1994, Salvador. Resumos... Salvador : Sociedade Brasileira de Fruticultura, 1994. V.3, p.989-990 .
MAAS, J.L.; GALLETTA, G.J.; STONER, G.D. Ellagic acid, an anticarciogen in fruits, especially in strawberry: a review. HortScience, Alexandria, v.26, n.1, p.10-14. 1991a.
MAAS, J.L.; WANG, S.Y.; GALLETTA, G.J. Evaluation of strawberry cultivars for ellagic acid content. HortScience, Alexandria, v.26, n.1, p.66-68. 1991b.
MOORE, J.N. Il miglioramento genetico del rovo. Rivista de Frutticoltura e di Ortifloricoltura, Bologna, v.48, n.5, p.37-40. 1986.
MOORE, J.N. Blackberry breeding. HortScience, Alexandria, v.19, n.2, p.183-185. 1984.
MOORE, J.N.; BROWN, E.; SISTRUNK, W.A. ’Comanche’ blackberry. HortScience, Alexandria, v.9, n.3, p.245-246. 1974a.
MOORE, J.N.; BROWN, E.; SISTRUNK, W.A. ’Cherokee’ blackberry. HortScience, Alexandria, v.9, n.3, p.246. 1974b.
MOREIRA, J.M.B. Aproveitamento industrial de amoreira-preta. Hortisul, Pelotas, v.1, n.0, p.17-18, 1989.
MORRIS, J.R.; SPAYD, S.E.; BROOKS, J.G., et al. Influence of postharvest holding on raw and processad quality of machine harvested blackberries. Journal American Society for Horticultural Science, Alexandria, v.106, n.6, p.769-775, 1981.
NUNES, R. de P.; GONSALVES, R.S. (Coord.) Novas cultivares. Brasília : EMBRAPA, 1981. 64p. (Boletim n. 8).
PERKINS-VEAZIE, P.; COLLINS, J.K.; CLARK, J.R., et al. Air shipment of ’Navaho’ blackberry fruit to Europe is feasible. HortScience, Alexandria, v.32, n.1, p.132. 1997.
PERKINS-VEAZIE, P.; COLLINS, J.R. Cultivar and maturity affect postharvest quality fruit from erect blackberry. HortScience, Alexandria, v.31, n.2, p.258-261, 1996.
PERKINS-VEAZIE, P.; COLLINS, J.K.; CLARK, J.R. Changes in blackberry fruit quality during storage. Acta Horticulturae, v.352, p.87-90, 1993.
PERUZZO, E.L.; DAL BÓ, M.A.; PICCOLI, P.S. Amoreira-preta: variedades e propagação. Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v.8, n.3, p.53-55, 1995.
POLING, E.B. Blackberries. Journal of Small Fruit and Viticulture, v.14, n.1-2, p.38-69. 1996.
RASEIRA, A.; SANTOS, A.M. dos; RASEIRA, M. do C.B. Caingangue, nova cultivar de amoreira-preta para consumo ’in natura’. HortiSul, Pelotas, v.2, n.3, p.11-12,1992.
RASEIRA, M. do C.B.; SANTOS, A.M. dos; MADAIL, J.C.M. Amora preta: cultivo e utilização. Pelotas : EMBRAPA. CNPFT, 1984. 20p. (Circular Técnica, 11).
SANTOS, A.M. dos; RASEIRA, M. do C.B. Lançamento de cultivares de amoreira-preta. Pelotas : EMBRAPA – CNPFT, 1988. n.p. (EMBRAPA: Informativo 23).
SMITH, B.J.; FOX, J. A. Rosetta (Double Blosson). In: ELLIS, M.A.; CONVERSE, R. H.; WILLIANS, R.N., et al. Compendium of raspberry and blackberry diseases and insects. St. Paul : APS, 1991. p.13.
SHERMAN, W.B.; SHARPE, R.H. Breeding Rubus for warm climate. HortScience, Alexandria, v.6, n.2, p.147-149. 1971.
SHOEMAKER, J.A. Small fruit culture. Westport, Conn : AVI, 1978. Bramble fruits: p.188-250.
STOUTEMYER, V.T.; MANEY, T.J.; PICKETT, B.S. A rapid method of propagating raspberries and blackberries by leaf-bud cutting. Proceedings American Society for Horticultural Science, v.30, p.278-282. 1933.
TRAVIS, J.N.; RYTTER, J. Antracnose. In: ELLIS, M.A.; CONVERSE, R. H.; WILLIANS, R.N., et al. Compendium of raspberry and blackberry diseases and insects. St. Paul: APS, 1991. p.3.
WALDO, G.F. ’Thornless Evergreen’ – Oregon’s leading blackberry. Fruit Varieties Journal, Massachusetts, v.31, n.2, p.26-30, 1977.
WANG, S.Y.; MAAS, J.L.; PAYNE, J.A., et al. Ellagic acid content in small fruits mayhaws, and other plants. Journal small fruit and viticulture, v.2, n.4, p.11-49, 1994.

Data Edição: 23/05/06 

 

Fonte:

 

http://www.todafruta.com.br/todafruta/mostra_conteudo.asp?conteudo=12361

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos