-
Esta página já teve 132.571.719 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.697 acessos diários
home | entre em contato
 

Nutrologia/Alimentos/Nutrição

Má alimentação pode estar associada ao risco de depressão

01/02/2011
Ciência e Tecnologia
30.01.2011

Má alimentação pode estar associada ao risco de depressão, aponta pesquisa

Aumento no consumo de gorduras trans e saturadas influenciam o desenvolvimento da doença, mas o óleo de oliva pode impedi-la

tamanho da letra
A-
A+
Foto: Universidade de Navarra
"Constatamos que essas gorduras saudáveis, juntamente com o azeite, estão associadas com um risco reduzido de depressão", afirma Miguel Angel Martínez-González

A ingestão de gorduras trans e gorduras saturadas aumenta o risco de depressão. No entanto, o consumo diário de óleo de oliva protege contra a doença. A conclusão é de um estudo das Universidades de Navarra e Las Palmas de Gran Canaria, na Espanha.

A descoberta foi feita a partir da análise do estilo de vida, dieta e doenças de mais de 12 mil voluntários do SUN - Projeto de Monitoramento da Universidade de Navarra.

Entre os voluntários, foram diagnosticados 657 novos casos de depressão. Os pesquisadores notaram que entre os participantes com alto consumo de gordura trans, encontrada nos fast foods, apresentaram um risco aumentado de depressão (48%) quando comparados aos participantes que consumiam pouca gordura, revelou Almudena Sánchez-Villegas, professor de Medicina Preventiva da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria, principal autor do trabalho.

Uma outra equipe, liderada por Miguel Angel Martínez-González, professor de Medicina Preventiva da Universidade de Navarra, analisou a influência de gorduras poliinsaturadas, abundante em peixes e óleos vegetais e azeite de oliva na presença de doença: "De fato, constatamos que essas gorduras saudáveis, juntamente com o azeite, estão associadas com um risco reduzido de depressão", disse o pesquisador.

Os resultados do estudo suportam a vista do aumento da incidência da doença nos países do norte europeu em relação aos países do sul, onde o padrão alimentar prevalecente é o Mediterrâneo. Especialistas alertam que, nos últimos anos a incidência da doença tem aumentado, atingindo 150 milhões de pessoas no mundo.

De acordo com Almudena Sánchez Villegas, "uma mudança radical nas fontes de gorduras consumidas na dieta ocidental, onde temos substituído alguns tipos de gorduras benéficas, poliinsaturadas e monoinsaturadas - presentes em nozes, óleos vegetais e azeite de oliva e peixes - por saturadas e trans - encontradas em carne, manteiga e fast-food".

A análise, conduzida pelas Universidades de Navarra e de Las Palmas de Gran Canaria, sugere que a depressão e as doenças cardiovasculares são igualmente influenciadas pela dieta e compartilham um mecanismo semelhante na origem. Isso é apoiado por numerosos estudos que mostram os efeitos danosos de gorduras saturadas e trans no risco cardiovascular.

Fonte: Isaude.net
 
 
 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos