-
Esta página já teve 132.458.609 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.708 acessos diários
home | entre em contato
 

Endocrinologia/Glândulas

Doenças tireoidianas subclínicas e fatores de risco cardiovascular em mulheres com mais de 40 anos em seu local de trabalho

03/02/2011
Resumo em português
 
Introdução: As disfunções tireoidianas subclínicas são comuns na prática clínica, particularmente entre mulheres de meia idade. Existem algumas evidências de que as disfunções tireoidianas subclínicas podem afetar o risco cardiovascular de forma negativa, além de afetar a qualidade de vida e produzir sintomas somáticos e psicológicos. Entretanto ainda existe muita controvérsia sobre se o tratamento destas disfunções afeta positivamente algum desfecho clínico e se estaria indicado realizar um rastreamento populacional destas disfunções. Objetivo: Este estudo teve como objetivo determinar a freqüência das disfunções tireoidianas subclínicas e sua associação com fatores de risco cardiovasculares tradicionais e com alguns fatores psico-sociais em mulheres com 40 anos ou mais em seu local de trabalho. Métodos: Estudo transversal de rastreamento com funcionárias da Universidade de São Paulo com 40 anos ou mais. Todas as participantes foram entrevistadas e responderam a quatro questionários específicos validados [um questionário sobre características sócio-demográficas, o questionário de angina de Rose, o Short Form Health Survey - 36 (SF-36) e o Self-Report Questionnaire (SRQ-20)], foram submetidas a mensuração de medidas antropométricas e da pressão arterial e tiveram uma amostra de sangue colhida para avaliação de função tireoidiana (TSH e T4-livre) e anticorpos antitireoperoxidase (anti-TPO), glicemia de jejum e colesterol total, LDL-colesterol e HDL-colesterol. Em uma subamostra do estudo também foi dosada a proteína C ultra-sensível (hsCPR). As mulheres foram analisadas de acordo com seu estado funcional tireoidiano. Resultados: Das 736 funcionárias com 40 anos ou mais convidadas a participar, 314 (42,7%) aceitaram o convite. As freqüências de hipotireoidismo e hipertireoidismo subclínico foram, respectivamente, 7,3% e 5,1%. Anticorpos anti-tireoperoxidase positivos foram encontrados em 51 mulheres (16,2%). Níveis de TSH < 10 mIU/l estavam presentes em 78,3% das mulheres com hipotireoidismo subclínico. Não houve diferença nas características gerais, nos fatores de risco para doença cardiovascular, nos fatores psico-sociais nem, de uma forma geral, na qualidade de vida comparando-se as mulheres de acordo com sua função tireoidiana. Conclusão: Não se encontrou nenhuma associação entre disfunção tireoidiana subclínica e fatores de risco para doença cardiovascular. Não se encontrou nenhuma associação de disfunção tireoidiana subclínica e fatores psico-sociais (qualidade de vida, sintomas somáticos e psicológicos). Os resultados deste estudo transversal não suportam a prática de rastreamento rotineiro de disfunção tireoidiana subclínica.
 
 
Título em inglês
 
Subclinical thyroid dysfunction and risk factors for cardiovascular disease in women at the workplace
Palavras-chave em inglês
Cardiovascular diseases
Hyperthyroidism/psychology
Hypothyroidism/psychology
Quality of life
Questionnaires
Thyroid gland
Women
 
 
Resumo em inglês
 
Rational: Subclinical thyroid dysfunction is very common in clinical practice, particularly among middle-aged women. There is some evidence that subclinical thyroid dysfunction may affect cardiovascular risk in a negative fashion, and also affect quality of life and produce somatic and psychological symptoms. There remains much controversy as whether there should be a population based screening for these dysfunctions and whether treatment of these dysfunctions have any positive impact on clinical outcomes. Objective: The aim of this study was to determine the approximate frequency of subclinical thyroid dysfunction and its association with traditional cardiovascular risk factors as well as some psychosocial factors in women 40 years of age or older at the worksite. Methods: Cross-sectional screening study with women 40 years of age or older, working at the University of São Paulo. All the women answered four specific questionnaires [a questionnaire on socio-demographic characteristics, the Rose Angina Questionnaire, the Short Form Health Survey -36 (SF-36) and the Self- Report Questionnaire (SRQ-20)], had antropometric variables and blood pressure measured, and blood analyzed for total-cholesterol, LDL-cholesterol, HDL-cholesterol, tryglicerides, fasting glucose, thyroid-stimulating hormone (TSH), free-thyroxine (free-T4) and anti-thyreoperoxidase antibodies (anti-TPO). In a sub-sample of these women high-sensitive C reactive protein (hsCRP) was measured. Women were analyzed according to their thyroid function status. Results: Of the 736 women invited to participate, 314 (42.7%) accepted the invitation. The frequencies of subclinical hypothyroidism and subclinical hyperthyroidism were, respectively, 7.3% and 5.1%. Positive antibodies against thyreoperoxidase were present in 51 women (16.2%). TSH levels < 10 mIU/l were present in 78.3% of women with subclinical hypothyroidism. There was no difference in general characteristics, cardiovascular risk factors, psychosocial factors nor, in a general way, in quality of life among these women according to their thyroid function status. Conclusion: No association between cardiovascular risk factors and subclinical thyroid dysfunction was found. No association between subclinical thyroid dysfunction and psychosocial factors (quality of life, somatic and psychological symptoms) was found either. The results of this cross-section study do not support the routine screening of subclinical thyroid dysfunction.
 
 
 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos