-
Esta página já teve 135.333.079 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.660 acessos diários
home | entre em contato
 

Obesidade:Adulto/Infantil/Bariátrica

Cirurgias bariátricas saltam 800% em 10 anos na rede pública de saúde

28/02/2011

24/2/2011
imagem transparente

Médicos pedem cuidado e advertem que as intervenções só são indicadas para quem tem obesidade mórbida ou as chamadas comorbidades
 
Ao longo dos últimos 30 anos, o Brasil deixou para trás índices históricos de desnutrição para ocupar lugar de destaque no ranking mundial da obesidade, cuja incidência dobrou em todo o planeta nesse mesmo período. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que o sobrepeso já atinge 50% da população maior de 20 anos — aproximadamente 65 milhões de pessoas. Como reflexo dessa epidemia, o número de cirurgias bariátricas realizadas em hospitais vinculados ao Sistema Único de Saúde aumentou quase 800% entre 2001 e 2010. Em unidades particulares, o crescimento registrado na última década é menor, cerca de 300%. O número absoluto de procedimentos, entretanto, supera em 13 vezes o do SUS, deixando o país, com 64,4 mil cirurgias realizadas no ano passado, atrás apenas dos Estados Unidos, onde 300 mil intervenções são feitas anualmente.

A redução de estômago como medida para se perder peso é indicada quando o índice de massa corpórea (IMC) é maior que 40kg/m². Cada caso demanda a avaliação de uma equipe multidisciplinar. Mas, em geral, a intervenção é considerada no meio médico como uma medida extrema, usada somente quando todas as alternativas de emagrecimento foram esgotadas. Para o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), Ricardo Cohen, ainda que o aumento de cirurgias no Brasil impressione, o montante realizado é mínimo perto da quantidade absurda de obesos que necessitam da intervenção. Ele explica que a videolaparoscopia trouxe avanços importantes, por ser menos invasiva e garantir o mesmo resultado que os procedimentos abertos. O tempo de internação é menor e o pós-operatório, menos dolorido.

A cirurgia bariátrica pode ser indicada quando o indivíduo tem IMC inferior a 40kg/m², mas apresenta comorbidades, como diabetes, hipertensão arterial, apneia do sono ou hérnia de disco. Segundo o médico, a fisiologia do obeso mórbido difere da do não obeso. “Cerca de 95% deles não conseguem perder ou manter a redução de peso a longo prazo com dieta, exercícios e medicamentos. A cirurgia devolve a esse paciente a capacidade de sentir saciedade e de controlar o peso por mais tempo”, defende. Os perigos desse tipo de intervenção, no entanto, sempre foram muito discutidos no passado, quando o índice de mortalidade ultrapassava os 5%. “Evoluímos muito em relação à segurança. Hoje, as mortes decorrentes de complicações com o procedimento não passam de 0,23%”, garante o especialista.

Menos riscos
O cirurgião do aparelho digestório Ronaldo Coenca observa que, há 11 anos, quando sua equipe começou a operar em Brasília, uma cirurgia bariátrica durava seis horas. As primeiras 48h do pós-operatório demandavam cuidados em unidades de tratamento intensivo e o paciente ficava no hospital por, pelo menos, cinco dias. Hoje, ela é feita em duas horas e o tempo de internação é de dois dias. Coenca enfatiza que, por segurança, o procedimento deve ser decidido por uma equipe multidisciplinar composta por endocrinologista, cirurgião, cardiologista, pneumologista, psicólogo e professor de educação física. “A decisão de operar depende da chancela desse grupo. Essa prática contribuiu para a redução da mortalidade. O acompanhamento da equipe reduz as chances de o operado voltar a engordar”, diz.

O consultor de TI e músico Bernardo Rosa, 29 anos, teve a indicação da cirurgia bariátrica em 2009, mas, depois de iniciar o pré-operatório, foi aconselhado a adiar o procedimento. Com 150kg, ele apresentava hipertensão, gordura no fígado, gastrite e problemas no esôfago. “Fui fazer o teste de esforço e o cardiologista precisou interromper o exame porque minha pressão chegou a 22/18. Se operasse naquela época, os riscos seriam potencializados”, avalia.

Nos últimos dois anos, Bernardo mudou a alimentação, parou de fumar e diminuiu em 80% o consumo de álcool. “Somos sujeitos ativos do pré-operatório e do tratamento. Contei com o apoio de uma fonoaudióloga, que me ensinou a mastigar. Acabei de fazer uma bateria de exames e fui liberado pela equipe. A operação deverá ser feita no fim deste mês. Estou pronto para a mudança”, comemora.



Fonte: Correio Braziliense

 

Fonte:

http://www.portaldoconsumidor.gov.br/noticia.asp?busca=sim&id=18215

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos