-
Esta página já teve 132.449.287 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.706 acessos diários
home | entre em contato
 

Hipertensão/Pressão Alta

Hipertensão e o diabetes na mira do Ministério da Saúde

10/10/2011

 


A hipertensão arterial e o diabetes estão na mira do Ministério da Saúde que,  na próxima década, pretende reduzir em 2% ao ano a taxa de mortalidade prematura causada não só por essas duas enfermidades, mas por todas as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Essa é a meta do Plano de Ações para Enfrentamento das DCNT, segundo a Agência Brasil.

O documento foi construído em parceria com diferentes setores do Governo Federal e da sociedade civil e estão, entre as outras, o câncer, as doenças respiratórias, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e o infarto. Vale destacar que, entre as políticas essenciais para o cumprimento da meta, está a ampliação do acesso ao tratamento das doenças.

No rol das medidas já adotadas pelo Ministério da Saúde, neste sentido, está a oferta gratuita de medicamentos para hipertensão e diabetes nas farmácias populares, estabelecida desde fevereiro com o Saúde Não Tem Preço. Já são 4,8 milhões de brasileiros beneficiados e retirando gratuitamente os medicamentos em mais de 17.500 farmácias populares. São ofertados gratuitamente, 11 medicamentos em 18 apresentações.

Ressalte-se, também, que  Saúde Não Tem Preço ampliou em 194% a oferta de tratamento para ambas as doenças em sete meses.As doenças cardiovasculares -causadas, entre outros fatores, pela hipertensão - são responsáveis por 31% dos óbitos no Brasil. Já o diabetes mellitus é responsável por 5,2% das mortes. A hipertensão arterial é diagnosticada em cerca de 33 milhões de brasileiros. Destes, 80% - ou aproximadamente 22,6 milhões de hipertensos - são atendidos na rede pública de saúde. Entre os 7,5 milhões de diabéticos diagnosticados no país, seis milhões (80% do total) recebem assistência no SUS.

O aumento da prevalência de hipertensão, diabetes é atribuído à má alimentação, falta de atividade física e ao estresse. O envelhecimento da população também contribui com o aumento da prevalência dessas doenças. Fatores genéticos devem ser considerados. Vale ainda dizer que, no Brasil, as DCNT concentram 72% dos óbitos, o que representa mais de 742 mil mortes por ano. No mundo, estima-se que 63% das mortes ocorrem por DCNT, um terço delas em pessoas com menos de 60 anos de idade. São considerados óbitos prematuros por DCNT aqueles ocorridos em pessoas com menos de 60 anos. O plano é a resposta brasileira para essa realidade.

Publicada em 28/09/2011

Fonte:

http://www.saudenaotempreco.com.br/ver_noticias.php?qual=51

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos