Dor/Dores -
Esta página já teve 134.680.913 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.667 acessos diários
home | entre em contato
 

Dor/Dores

A dor crônica afeta a comunicação conjugal

06/12/2011

A dor crônica sofrida por um dos cônjuges pode afetar a comunicação conjugal e influenciar a capacidade do parceiro de lidar com uma condição de dor crônica, de acordo com pesquisa, publicada na The Journal of Pain , publicado pela American Pain Society, www.ampainsoc.org .

Pesquisa psicológica tem demonstrado que a forma como um cônjuge ou parceiro responde ao comportamento de um indivíduo afeta como e quando as emoções são expressas. Por exemplo, a validação das emoções de um parceiro, mostrando respeito e aceitação promove regulação emocional eficaz, confiança e proximidade. Por outro lado, a invalidação de emoções, demonstrada pela hostilidade ou ignorando, aumenta a distância emocional e está correlacionada com ajuste marital pobres e depressão .

Em seu estudo, os pesquisadores da Wayne State University e do Centro Norueguês de Pesquisa Addiction testado como as seqüências e as taxas básicas de interações dos casais afetivos foram relacionados à dor e ao ajustamento emocional em ambos os parceiros. Eles hipótese de que o comportamento seguido por invalidar a invalidação por qualquer dos parceiros estaria relacionada à dor mais intensa, a satisfação conjugal e menos depressão.

Por outro lado, a invalidação seguido por uma validação ou observação neutra estaria associada a um melhor ajuste. Também espera-se que que a associação de comportamentos conjugais e ajuste dor seria significativamente mais forte quando a esposa é o paciente da dor, baseado em pesquisas anteriores que mostram que as mulheres reagem mais profundamente a dor ea comunicação afetiva que os homens.

Casais para o estudo foram recrutados em uma cidade dos EUA Centro-Oeste através da publicidade do jornal. Eles eram elegíveis para participar se um dos cônjuges tinha uma condição de dor músculo-esquelética que durou mais de seis meses. A amostra inicial tinha 78 indivíduos com dor crônica e seus cônjuges. As mulheres constituem 58 por cento dos pacientes com dor estudados. Baixa dor nas costas foi o local mais citado do pior dor e os diagnósticos principais foram osteoartrite , problemas de disco e fibromialgia.

 

Sujeitos do estudo participaram de uma hora três sessões de entrevista em que a final 15 minutos foram dedicados a discutir um assunto desagradável, tais como finanças da família. Cada parceiro foi entrevistado sobre as suas perspectivas sobre o tema problema e os casais foram instruídos a discutir e fazer progressos no sentido de resolver a questão.

Resultados da análise mostraram que os maridos com a dor são mais propensos a responder negativamente a invalidação pelo cônjuge. Assim, ao contrário hipótese do estudo, os homens, seja como pacientes ou cônjuges, parecia ser mais sensíveis às respostas de seus parceiros. Esta constatação contradiz pesquisas anteriores que mostram que as mulheres são mais propensos a experimentar maior dor, angústia e depressão . Os autores observaram que, talvez, a dor é perturbador para os papéis tradicionais do marido, como sendo o provedor da família, causando-lhe a ser mais vulneráveis ​​para a perturbação emocional dos comportamentos a invalidação pelo cônjuge.

De uma perspectiva clínica, os autores acreditam que sua pesquisa mostra sexo do paciente é um fator importante na avaliação e tratamento de pacientes com dor e casais. Intervenções, portanto, deve ser destinada para o casal, não apenas os pacientes com dor, a fim de ajudar a reduzir os comportamentos de invalidar e observações e respostas perturbador para elas. Treinamento da empatia foi recomendado.

Fonte American Pain Society

 

Fonte:

 

http://www.news-medical.net/news/20111201/Chronic-pain-affects-marital-communication-and-ability-to-cope.aspx?page=2

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos