-
Esta página já teve 133.104.588 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.663 acessos diários
home | entre em contato
 

Tóxicos/Intoxicações

Intoxicação de animais por plantas que contêm swainsonina

19/06/2013
 

 

 

Pesquisadores da Universidade Federal de Campina Grande, em Patos, na Paraíba, realizaram uma revisão bibliográfica sobre a intoxicação de animais por plantas que contêm swainsonina no Brasil. O artigo foi publicado no periódico Ciência Rural, v.43, n.4, de abril de 2013.

No Brasil, as plantas que contêm swainsonina compõem um grupo muito importante de plantas tóxicas, incluindo Ipomoea carnea subsp. fistulosa, Ipomoea riedelii, Ipomoea sericophyla, Ipomoea verbascoidea, Turbina cordata e Sida carpinifoli. A substância causa sinais nervosos, principalmente em caprinos, mas também em bovinos, equinos e ovinos. Além dos sinais nervosos, os animais intoxicados apresentam pêlos arrepiados e perda de peso. Infertilidade, abortos, nascimentos de animais fracos e maior susceptibilidade aos parasitas gastrointestinais são descritos em casos crônicos da intoxicação.

Segundo o pesquisador Franklin Riet-Correa, a intoxicação por swainsonina é a causa de perdas econômicas em diversas regiões do Brasil. O seu controle envolve retirar os animais imediatamente do local onde ocorre a planta e eliminar a mesma das áreas infectadas.

Além de trazer conhecimentos sobre as condições nas quais ocorrem as intoxicações, o artigo aborda novas técnicas que têm sido desenvolvidas para o controle das doenças produzidas por essas plantas. Para Franklin, a técnica mais importante é a aversão alimentar condicionada, que permite condicionar os animais a não ingerir mais a planta.

O artigo também relata as alternativas de controle de Turbina cordatana região nordeste e de Ipomoea carneanas regiões nordeste e norte do Brasil, regiões extremamente afetadas pelas intoxicações por swainsonina. O Instituto de Ciência e Tecnologia por Plantas tem desenvolvido também a técnica de aversão alimentar para outras intoxicações por plantas, além de outras técnicas, como a utilização de animais resistentes, de forrageiras menos tóxicas e de bactérias ruminais que hidrolisam os princípios ativos de plantas.

 

 

Pesquisador:
Franklin Riet-Correa

E-mail: franklin.riet@pq.cnpq.br
Universidade Federal de Campina Grande/Centro de Saúde eTecnologia Rural, Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária.
Hospital veterinário/ Laboratório de Anatomia Patológica/Campus de Patos - PB
Santa Cecília
58700000 - Patos, PB - Brasil
Telefone: (83) 34233409
Fax: (83) 34214659

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext_pr&pid=S0103-84782013011300001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

 

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos