Geriatria/Gerontologia/Idoso -
Esta página já teve 135.314.469 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.661 acessos diários
home | entre em contato
 

Geriatria/Gerontologia/Idoso

Estudo avalia a dependência de idosos com alterações cognitivas em diferentes contextos de vulnerabilidade social

09/04/2014

PRESS RELEASE

SANTOS, Ariene Angelini dos  e  PAVARINI, Sofia Cristina Iost. Funcionalidade de idosos com alterações cognitivas em diferentes contextos de vulnerabilidade social. Acta paul. enferm. [online]. 2011, vol.24, n.4, pp. 520-526. ISSN 0103-2100.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002011000400012.



Estudo avalia a dependência de idosos com alterações cognitivas em diferentes contextos de vulnerabilidade social

 

 

Pesquisadores do Grupo de Pesquisa Saúde e Envelhecimento, vinculados ao Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de São Carlos, têm estudado idosos com alterações cognitivas que moram em diferentes contextos de vulnerabilidade social. Publicaram recentemente na revista Acta Paulista de Enfermagem, v. 24, n.4, resultados sobre a funcionalidade de idosos com alterações cognitivas, pobres e não pobres, e sua relação com sexo e idade.

Verificou-se que nos contextos de pobreza esses idosos são mais jovens, corroborando com resultados da literatura que mostram que pessoas que vivem em situação econômica precária, estão mais expostas ao risco de adoecer e morrer. Comparou-se o desempenho dos idosos nas atividades básicas de vida diária (aquelas que ocorrem dentro de casa como alimentar-se, tomar banho e vestir-se) e nas atividades instrumentais de vida diária (que ocorrem fora de casa, como fazer compras, ir ao médico e cuidar das finanças).  Para as atividades que ocorrem dentro de casa, verificou-se que o grau de dependência dos idosos aumenta com o aumento da idade. Nos contextos de menor vulnerabilidade social há uma porcentagem maior de idosos dependentes, que pode ser explicada pelo fato de existirem nestes contextos uma maior proporção de idosos mais velhos. Os idosos, de modo geral, são mais dependentes para as atividades como banho e capacidade para vestir-se do que para alimentação ou locomoção.  Com relação ao sexo, testes estatísticos não revelaram diferenças significativas entre homens e mulheres no desempenho das atividades básicas de vida diária, nos dois contextos. Nas atividades realizadas pelos idosos fora do contexto domiciliar, o estudo também não encontrou diferenças de funcionalidade entre homens e mulheres, embora fosse esperado mulheres mais dependentes que homens no desempenho das atividades de vida diária. Quando se comparou o desempenho dos idosos nas atividades instrumentais nos diferentes contextos de vulnerabilidade social, encontrou-se que os que vivem em contextos de pobreza dependem mais de ajuda para realizar essas atividades. Com relação à idade, similarmente ao observado nas atividades básicas de vida diária, verificou-se também o aumento do grau de dependência dos idosos com o aumento da idade nas atividades que ocorrem fora de casa.

Participaram da pesquisa 88 idosos cadastrados em Unidades de Saúde da Família de regiões com diferentes índices de vulnerabilidade social de um município paulista e seus 72 cuidadores familiares. Os dados foram coletados nos domicílios dos idosos através de entrevistas previamente agendadas. Foram utilizados como instrumentos: Mini Exame do Estado Mental (avaliação cognitiva); Índice de Katz (avaliação do desempenho nas atividades básicas de vida diária); Questionário de Pfeffer, (avaliação do desempenho do idoso nas atividades instrumentais de vida diária, aplicado aos cuidadores) e o Índice Paulista de Vulnerabilidade Social (avaliação da vulnerabilidade social por região). 

Sabe-se que a demência é hoje um grave problema de saúde pública e sua prevalência aumenta com a idade. Analisar os fatores associados à funcionalidade dos idosos com alterações cognitivas, levando-se em consideração os diferentes contextos de vulnerabilidade social, pode auxiliar na implantação de políticas públicas mais adequadas, especialmente voltadas à atenção básica. Esta pesquisa recebeu apoio financeiro da CAPES e da FAPESP.

 

 

Contato:
Ariene Angelini dos Santos
Programa de Pós Graduação em Enfermagem
Universidade Federal de São Carlos
E-mail: arieneangelini@yahoo.com.br

 

Fonte:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext_pr&pid=S0103-21002011010300001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos