-
Esta página já teve 132.449.276 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.706 acessos diários
home | entre em contato
 

Hipertensão/Pressão Alta

Mais sobre hipertensão

30/06/2003

O que é pressão arterial?

Trata-se da pressão exercida pelo coração sobre as artérias, que pode ser medida por dois valores: o máximo (pressão sistólica), que diz respeito à pressão que o coração faz para bombear o sangue em direção aos outros órgãos, e o mínimo (pressão diastólica), que se refere à acomodação do sangue nos vasos sangüíneos.

 

 

Quais são os índices normais da pressão?

Para adultos, a Organização Mundial da Saúde aceita como normal uma pressão máxima de até 140 e uma pressão mínima de até 90 mmHg (14 por 9). Entretanto, tem havido uma tendência à redução desses níveis por conta da dificuldade em demarcar os limites entre os valores normais e os alterados, que indicam hipertensão.

 

 

O que é a hipertensão?

É uma doença de múltiplas causas, caracterizada pelo aumento mantido dos valores da pressão arterial. Valores de 14 por 9, mesmo que a pessoa esteja calma e em repouso, já podem ser considerados anormais.

 

O que acontece no organismo de um hipertenso?

Suas artérias ficam mais apertadas e dificultam a passagem do sangue, razão pela qual o coração precisa exercer uma pressão maior para bombeá-lo.

 

Quais são os sintomas?

A maioria das pessoas que tem hipertensão não apresenta sintomas. Quando presentes, porém, podem manifestar-se como dor de cabeça, sangramento nasal, tonturas e zumbidos no ouvido. Outros como palpitação, dor no peito, falta de ar, inchaço, alterações visuais, perda de memória e de equilíbrio, palidez, problemas urinários e dores nas pernas demonstram que os órgãos-alvo da doença podem estar comprometidos. Nestes casos, convém procurar um médico imediatamente.

 

Quais são as causas da doença?

Em 90 a 95% dos casos, não há causa conhecida para a hipertensão. Mas, eventualmente, problemas

endócrinos e renais, gravidez, uso freqüente de alguns medicamentos (anticoncepcionais, descongestionantes nasais, antidepressivos, corticóides e moderadores de apetite) e de cocaína, bem como doenças neurológicas, podem ser causas de hipertensão arterial.

 

Como a hipertensão pode ser diagnosticada?

O diagnóstico é baseado na medida da pressão arterial com um aparelho próprio, usado em hospitais, ambulatórios e consultórios. Embora simples, a medida isolada da pressão sofre influência de vários fatores. Por conta disso, hoje a medicina utiliza outros recursos adicionais para diagnosticar a hipertensão.

 

Que recursos são esses?

Um deles é o teste ergométrico, que mede a pressão do indivíduo durante o esforço físico e pode evidenciar se ele possui risco de desenvolver hipertensão. Outro é a monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA), que registra a pressão do paciente por 24 horas, ao longo de suas atividades diárias e do sono, fornecendo dados relevantes para o médico. Mas nenhum desses recursos substitui a avaliação clínica do paciente e a medida da pressão arterial em consultório.

 

Por que é importante controlar a hipertensão?

Porque a expectativa de vida de uma pessoa com hipertensão é 40% menor que a de um indivíduo sadio, ao longo dos anos. O fato é que, ao esforçar-se mais para bombear o sangue, o coração do hipertenso fica vulnerável à insuficiência cardíaca. Além disso, devido ao aumento da pressão, o sangue vai desgastando os vasos, que podem romper-se e causar o derrame cerebral. Esse desgaste ainda facilita o acúmulo de placas de gordura nas artérias, predispondo o indivíduo ao infarto. Outra conseqüência grave é o comprometimento do sistema de filtração dos rins.

 

Qual é o tratamento?
Para alguns, uma dieta com pouco sal e sem gordura, além da mudança de hábitos de vida (deixar de fumar, ingerir menos álcool, fazer exercícios e emagrecer), são suficientes para manter a pressão controlada. Outros, porém, necessitam de medicamentos. Mas só o médico pode estabelecer o tipo de hipertensão, avaliar o estado dos órgãos-alvo da doença e prescrever o tratamento mais indicado.

 

Como é possível prevenir a hipertensão?
Levar uma vida saudável, manter o peso ideal, não ingerir bebidas alcoólicas, fazer exercícios, não fumar e adotar uma dieta balanceada, com consumo moderado de sal, são atitudes preventivas. Também é recomendável que toda pessoa com mais de 40 anos faça medidas periódicas de pressão - sobretudo quem tem histórico de pressão alta na família -, sempre sob orientação médica.

 

Qualquer elevação da pressão já é sinal de hipertensão?

Não. A pressão varia nas 24 horas do dia e segue um ritmo próprio, influenciado pelo estado psicológico da pessoa, hábitos e atividades cotidianas. Portanto, pode subir momentaneamente, mas depois voltar ao normal. Para ser rotulado como hipertenso, o paciente deve apresentar níveis de pressão acima dos limites da normalidade, obtidos em medidas consecutivas, em duas ou mais visitas ao médico.

 

Cuide de sua pressão

A hipertensão é uma doença comum, que atinge cerca de 15 a 20% da população brasileira. Muitas pessoas nem sabem que tem pressão alta, pois o organismo acostuma-se com os níveis elevados, que, contudo, vão comprometendo em silêncio órgãos como o coração, rins, cérebro e olhos. Felizmente, dá para evitar esse quadro e até prevenir o aparecimento da hipertensão.


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos