- Ciclo Menstrual 1
Esta página já teve 133.088.831 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.664 acessos diários
home | entre em contato
 

Teen/Hebeatria/Adolescência/Jovem

Ciclo Menstrual 1

07/07/2003
 
 

Órgãos GENITAIS E SUAS FUNÇÕES - Ciclo Menstrual
períodos de fecundidade
Esquema dos períodos de fecundidade da mulher com o ciclo menstrual de 28 dias.

FISIOLOGIA DO APARELHO SEXUAL FEMININO
A vida genital da mulher começa com a puberdade e termina com a menopausa.
Essa vida é assinalada periodicamente pelo ciclo menstrual, do qual o sinal mais aparente é a menstruação.
O CICLO MENSTRUAL
O ciclo menstrual é o período que se estende do primeiro dia do fluxo sangüíneo até o primeiro dia do fluxo seguinte.
Dura, em média, 28 dias, mas pode haver mais curtos: 25 ou 26 dias, ou mais longos: 31 ou 32 dias. Irregularidades no ciclo menstrual podem, dentro de certos limites, não contrastar com uma boa saúde. O ciclo menstrual está sob a dependência da hipófise, que influencia na função ovárica mediante dois hormônios: a folículo-estimulina e a lúteo-estimulina, chamadas também "prolan" (prolan A e prolan H), ou gonadotropina. O ciclo pode dividir-se em dois períodos:
1. Fase folicolínica, que se estende do primeiro ao décimo quarto dia (se se trata de um ciclo de 28 dias), no curso da qual um dos folículos contidos no ovário vem à superfície, se transforma, alcança a maturação .e secreta um hormônio. A maturação do folículo (chamado folículo de Graaf) tem lugar deste modo: o folículo é primeiramente formado por uma célula provida de um grande" núcleo, o óvulo, cercada por uma camada de células achatadas. Estas células, primitivamente dispostas em uma única camada, proliferam e se dispõem em numerosas camadas; no interior se forma uma cavidade que se enche com o líquido folicular. O óvulo é expulso lateralmente e aumenta pelo acúmulo de materiais de reserva, protelco e graxo, que constitui
o "vitélio", alcançando um diâmetro de 0,10 a 0,15 de milímetro.
A volta do folículo em evolução, o tecido ovárico torna-se denso e forma uma espécie de invólucro resistente chamado "teca".
O folículo, chegado à maturidade, tem um diâmetro de 1 a 2 centímetros, tenso, translúcido, emerge na superfície do ovário, e, enfim arrebenta libertando o Óvulo ou ovocito. O fenômeno se chama ovulação e com ele termina a primeira fase, folicolínica.
2. Fase folículo-luteínica, que segue imediatamente à ovulação e dura até a menstruação seguinte. Esta é essencialmente uma fase de preparação para a gravidez. No ovário, o folículo rompido se transforma em "corpo lúteo", que secreta a progesterona, ou luteína, sem deixar, todavia, também, de produzir a foliculina. Sob a ação da progesterona produzem-se importantes modificações no útero, cuja mucosa se espessa, os capilares sangüíneos se dilatam e trazem uma maior quantidade de sangue, enquanto as glândulas uterinas entram em um estado de intensa atividade. Se o óvulo é fecundado, inicia-se a gravidez: a mucosa uterina, modificada para esse fim, acolhe o ovo que nela se aninha; a menstruação faltará por nove meses. Se, ao contrário, o óvulo não foi fecundado, morre: todo o trabalho de preparação da mucosa uterina, transformada para acolhê-lo, torna-se inútil. O corpo lúteo regride, a proporção dos hormônios ováricos no sangue diminui, a mucosa uterina se descama e cai: tem-se assim a menstruação, pela qual o útero se liberta da mucosa mediante uma hemorragia. A menstruação marca o início de um novo ciclo.
A menstruação constitui a manifestação externa, visível, do ciclo menstrual, Dura, em média, 4 a 5 dias, que se tornam, portanto, os primeiros 4 ou 5 dias do ciclo. A quantidade de sangue perdida varia, em média, de 60 a 100 centímetros cúbicos. Trata-se de sangue incoagulável, alcalino, misturado a fragmentos da mucosa e às secreções útero-vaginais.
A menstruação se acompanha, muitas vezes, de fenômeno gerais: depressão ou excitação psíquica, irritabilidade, distúrbios digestivos, dores no baixo ventre. Se o mau estar menstrual é acentuado, pode ser o sinal de uma disfunção ovárica.
As menstruações fazem a sua primeira aparição durante a puberdade, e podem ser, mesmo de maneira notável, antecipadas ou retardadas por fatores como o clima, o temperamento, a constituição, o estado de saúde, o gênero de vida, a nutrição. O clima quente, em geral, faz antecipar a menstruação, ao contrário do clima frio: na África, as mulheres têm a primeira menstruação dos 9 aos 10 anos.
Na Itália, país antes temperado, a primeira menstruação se verifica, habitualmente, aos treze anos.
Mesmo a "constituição" da mulher tem influência no aparecimento das primeiras regras: as mulheres morenas, com olhos e cabelos negros, têm a menstruação mais precoce do que as louras de olhos claros. Naturalmente, estas normas não são inderrogáveis, e há numerosíssimas exceções.
As mulheres de constituição orgânica fraca ou doentia têm, em geral, a primeira menstruação atrasada, e a mesma coisa diga-se de mulheres em más condições de nutrição ou obrigadas a trabalhos físicos fatigantes.
Entre os 45 e os 50 anos, as menstruações cessam: tem-se então a menopausa. A mulher perde a faculdade de procriar e os seus órgãos genitais entram em uma progressiva involução.
Geralmente, a cessação das regras tem lugar depois de um período de irregularidades, quer na quantidade (menorragia, ou seja fluxo muito abundante), quer na freqüência (antecipadas ou retardadas) .
A menopausa pode todavia ocorrer depois de uma gradual diminuição do sangue menstrual. É ela definida como a "idade crítica" da mulher porque provoca notáveis perturbações de ordem física e, por vezes, também psíquicas. A mulher em menopausa acusa uma atrofia dos órgãos genitais externos, das glândulas mamárias e a perda do desejo sexual.
Estes fenômenos são devidos à notável diminuição ou ao desaparecimento dos hormônios sexuais.
Outras manifestações da menopausa podem ser os sinais de virilismo (mudança de modos, crescimento de pêlos no rosto).
PERÍODOS FECUNDOS E PERÍODOS ESTÉREIS

ciclo de 31 dias
Esquema de um ciclo fecundo em um ciclo de 31 dias


Depois do rompimento do folículo, o óvulo tem vida breve: 24 horas e mesmo menos. Os espermatozóides, por sua vez, mergulhados no aparelho genital feminino, não vivem muito mais: 30 a 40 horas no máximo. Para que tenha lugar a fecundação é portanto necessário que a relação sexual tenha lugar no dia da ovulação, ou então um dia antes, ou então um dia depois; além desses intervalos a fecundação não é possível. Os dias fecundos são, portanto, muito poucos em um mês. No entanto, é difícil estabelecer quais sejam, porque é difícil estabelecer quando tem lugar a ovulação.
Este fenômeno, na verdade, não se anuncia por sinais tão característicos que possam ser evidenciados facilmente. Estudos estatísticos permitiram afirmar que a ovulação tem lugar quase na metade do ciclo mensal, entre o décimo sexto e o décimo quarto dia antes da menstruação seguinte. Se o ciclo é regular, seja de 26, 28 ou 30 dias, a data da ovulação se situa entre o décimo sexto e o décimo segundo dia antes da data em que a menstruação seguinte é esperada. Tendo em conta a duração da sobrevivência do espermatozóide e do óvulo, a mulher será estéril antes do décimo nono dia que precede a menstruação seguinte, será, ao contrário, fecunda do 19° ao 11° dia, e de novo estéril.
Se o ciclo é irregular, o período a ser admitido fecundo é mais longo. Não se pode saber, na verdade, quando terá lugar a próxima menstruação e é necessário, prevê-la -com base nos ciclos precedentes- tendo em conta a duração máxima e a duração mínima do ciclo menstrual. O período fecundo, nestes casos, começa 19 dias antes da data presumível da menstruação calculada pelo ciclo mais curto e termina 11 dias antes da data presumida da menstruação calculada pelo ciclo mais longo. Este método, chamado de Ogino e Knaus, do nome dos dois obstetras que o propuseram, é um método estatístico, que não é necessariamente válido para todas as mulheres. A probabilidade de ter bom resultado com esse método é de 60 a 70%.
Um outro método é aquele da tomada da temperatura. Baseia-se no fato de que a foliculina faz baixar a temperatura, enquanto a progesterona a faz aumentar .
Normalmente a temperatura, ao despertar é de cerca de 36,9° centígrados. Para usar esse método, a mulher deve tomar toda manhã a temperatura retal com um termômetro particular no qual a temperatura de 36° a 38° é bem evidente: a verificação deve ter lugar no momento do despertar e sempre com o mesmo termômetro, para eliminar toda a possibilidade de erro. Pode-se constatar que no fim da menstruação a temperatura é de 36,9° e se mantém nesse valor até o décimo primeiro ou décimo segundo dia depois do início da menstruação anterior; depois por dois ou três dias a temperatura se abaixa a 36,7°, mas torna a subir até 37,1° ou mesmo 37,2° no décimo quarto ou no décimo quinto dia.
A 37° se mantém por dez a doze dias e sobe a 37,3° no primeiro dia da menstruação.
A elevação térmica que tem lugar pelo décimo quinto dia assinalaria a ovulação. O período fecundo começa pois no fim do período de temperatura normal, e termina quando o termômetro, depois de se elevar, volta estavelmente a 37°. As mulheres que têm o ciclo menstrual reguIar, depois de ter aplicado este método por quatro a cinco meses, podem limitar-se a medir a temperatura na vizinhança da data presumida da ovulação.
Este método parece mais seguro do que o de Ogino-Knaus, mas é preciso levar em conta todos os outros fatores que podem influir sobre a temperatura e levar a engano. Tanto o método de Ogino-Knaus como o da temperatura são úteis mas não infalíveis. A ovulação pode também produzir-se em momentos inesperados e imprevisíveis, em seguida a uma emoção, a uma mudança de clima, ou durante o próprio ato sexual. Isto não
parece ser freqüente; pode ser que tenha lugar somente em algumas mulheres e não em outras; trata-se, em todo o caso, de um acontecimento possível e, quando acontece, qualquer que seja o método para determinar os dias fecundos (e sobretudo no método estatístico de Ogino-Knaus) está destinado a falhar.

data da ovolução
Curva da temperatura que permite determinar a data da ovolução.



IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos