Stress/estresse -
Esta página já teve 132.449.332 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.706 acessos diários
home | entre em contato
 

Stress/estresse

A agressividade e suas conseqüências

12/07/2003

 

 

 

 



A agressividade gera estresse, que, por sua vez, causa adaptações fisiológicas que afetam o funcionamento dos órgãos e podem provocar doenças físicas e mentais. Ela resulta na liberação do hormônio chamado adrenalina, causando uma constante mobilização do sistema nervoso e cardiovascular.

A agressividade é expressa corporalmente: os olhos ficam vermelhos, os músculos, principalmente os maxilares, enrijecem; as bochechas tremem, as extremidades (mãos e pés) ficam frias e suadas e a respiração se torna rápida e superficial. Outras mudanças incluem o aumento da pressão arterial e a catecolomia na urina e no sangue.

As conseqüências da agressividade dependem do grau de estresse da pessoa e do seu equilíbrio físico e emocional. Atualmente ela tem sido associada ao ataque cardíaco prematuro. O psiquiatra Redford Williams, professor de psiquiatria na Universidade de Duke, em Durham, Carolina do Norte, nos Estados Unidos, explica que a pessoa hostil e cínica tem cinco vezes mais chances de morrer antes dos 50 anos do que a pessoa que não é agressiva.

Williams afirma que a pessoa agressiva tem um sistema nervoso fundalmentalmente diferente do da pessoa que não é hostil. O indivíduo agressivo tende a se manter alterado uma vez que se sente irado. "Parece que esses indivíduos têm um sistema nervoso parassimpático mais fraco. Quando começam a produzir adrenalina em excesso, eles se mantêm alterados por muitas horas e tendem a se relacionar com o mundo externo de maneira diferente. Essas diferenças são notadas desde a infância", diz ele. A pessoa que não é agressiva, noentanto, tende a ter um sistema nervoso parassimpático que atua como uma "tomada de luz", possibilitando que a pessoa se desligue emocionalmente do evento e se recomponha rapidamente.

Para controlar a sua agressividade, racionalize a situação. Se tiver controle sobre ela, mude-a. Caso contrário, neutralize o pensamento. Concentre-se em estabelecer uma respiração profunda e rítmica para controlar a sua emoção.

Fonte: Ana Maria Rossi - Isma-Brasil

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos