Pediatria/Criança - Pneumonia em Crianças
Esta página já teve 110.888.599 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.764 acessos diários
home | entre em contato
 

Pediatria/Criança

Pneumonia em Crianças

14/07/2003

 

 

O que é?

A pneumonia aguda é habitualmente uma doença infecciosa que afeta os pulmões, traduzida por uma consolidação dos alvéolos pulmonares ou infiltração do tecido intersticial por células inflamatórias.

As pneumonias que afetam as crianças normais, no seu meio habitual, designadas pneumonias da comunidade são aquelas aqui abordadas, uma vez que os recém-nascidos, as crianças imunodeprimidas, com doenças crônicas ou internadas, constituem um grupo à parte, podendo ser infectadas por microorganismos diferentes.


Quais são as causas?

Para além das causas infecciosas, existem outras pneumonias provocadas, por exemplo, por aspiração de alimentos ou corpos estranhos, reações de hipersensibilidade ou induzidas por drogas.

Os vírus respiratórios são os principais agentes infecciosos (80 a 85%), sendo o vírus sincicial respiratório (VSR), o influenza, o parainfluenza e o adenovírus os mais vezes implicados.

O Mycoplasma pneumoniae e bactérias selecionadas, com o pneumococo, o Staphilococos aureus e atualmente menos freqüente o Haemophilus influenza tipo b são outras causas comuns de pneumonia na criança.


Quem é mais atingido?

De uma forma geral, as infecções virais do aparelho respiratório inferior são bastante mais vulgares nos meses de inverno e o VSR é o agente mais comum, especialmente nos bebês mais pequenos.

Os quadros de bronquiolite predominam no 1º ano de vida, enquanto a pneumonia viral tem a máxima incidência entre os 2 e os 3 anos, reduzindo-se a partir de então de uma forma progressiva.

Relativamente ao Mycoplasma, a maior incidência ocorre em crianças em idade escolar, sendo responsável por cerca de um terço das pneumonias entre os 5 e os 9 anos e por aproximadamente 70% das pneumonias entre os 9 e 15 anos. As pneumonias bacterianas, não são muito comuns nas crianças de outro modo saudáveis, afetando mais freqüentemente aquelas com doenças subjacentes, como seja, por exemplo, a fibrose cística ou imunodeprimidos. Uma infecção viral prévia do pulmão pode, contudo, alterar os mecanismos de defesa e deixar que as bactérias causem doença.


Como é feito o diagnóstico?

Na pneumonias virais, muitas vezes existem familiares com sintomas respiratórios em casa e durante alguns dias, a criança apresenta pingo no nariz e tosse; entretanto surge febre, que não costuma ser muito elevada e sinais de dificuldade respiratória, mais ou menos intensos.

O quadro de pneumonia bacteriana é habitualmente mais súbito e exuberante, com febre elevada, tosse e dificuldade respiratória, continuando a ser o pneumococo o agente mais freqüente.

O diagnóstico é feito pela clínica, com particular importância para a auscultação pulmonar, por radiografia pulmonar e por análises de sangue.

O diagnóstico definitivo é feito pelo isolamento do agente em causa, a partir de uma amostra de secreções respiratórias ou no sangue.

O Mycoplasma pneumoniae é um agente infeccioso que dá origem aos chamados quadros de pneumonia atípica, nas quais os sintomas gerais são mais exuberantes do que as queixas respiratórias, simulando por vezes infecções virais arrastadas.

É importante lembrar que nem sempre é fácil fazer o diagnóstico diferencial de todas estas situações, sendo necessário para sua confirmação à conjugação de todos os dados clínicos e os exames complementares necessários, nomeadamente exames microbiológicos apropriados.


Como se trata?

Como nas restantes infecções provocadas por vírus, o tratamento habitual é de suporte, sendo necessário internamento dos bebês mais pequeninos ou dos casos mais graves.

Nas infecções provocadas por bactérias, o tratamento com antibióticos veio melhorar muito a história desta doença, assim como das outras causadas por agentes bacterianos.


Qual é o prognóstico?

O prognóstico costuma ser bom, embora em algumas situações a doença possa ser mais prolongada ou, nomeadamente com o adenovírus, o quadro possa ser mais perigoso.

 


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos