Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca - Entenda sobre as gorduras no sangue
Esta página já teve 110.862.897 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.764 acessos diários
home | entre em contato
 

Cardiologia/Coração/CirurgCardíaca

Entenda sobre as gorduras no sangue

24/07/2003

 

As dislipidemias, popularmente conhecidas como gorduras no sangue, relacionadas à Doença Arterial Coronariana têm sido amplamente estudadas e demonstrou-se que indivíduos que consomem grandes quantidades de gordura têm níveis elevados de colesterol, maior incidência de aterosclerose coronariana e aórtica, comparando com aqueles que não possuem esse hábito alimentar.

As gorduras da dieta são importante fator regulador do metabolismo das gorduras, já que a formação de quilomícrons na mucosa intestinal depende diretamente do conteúdo de gordura ingerida.

Os ácidos graxos saturados são sólidos na temperatura ambiente. As gorduras animais, com exceção das provenientes de peixes, são ricas em ácidos graxos saturados, assim como os óleos de palmeira e coco. O consumo elevado de ácidos graxos saturados aumenta o colesterol total e o LDL-c, o colesterol ruim.

É aconselhável que, no tratamento da hipercolesterolemia, ocorra uma diminuição do consumo de gorduras saturadas na dieta. As novas diretrizes do National Cholesterol Education Program (NCEP, 2001) e da American Heart Association preconizam uma ingesta de gorduras saturadas até 7% do valor calórico total. Assim, aconselha-se a restrição do consumo de gordura animal, como carnes gordurosas, embutidos, vísceras, leite e derivados, e gorduras vegetais: polpa de coco e de alguns óleos vegetais, como coco e dendê.

Colesterol

O colesterol dietético aumenta a colesterolemia no sangue em várias espécies animais, incluindo os seres humanos. Em humanos, a absorção de colesterol é limitada em aproximadamente 40% do colesterol ingerido, o qual chega ao fígado transportado pelas partículas residuais de quilomícrons.

Há diferenças interindividuais amplas (18 a 60%) na absorção intestinal de colesterol. A maioria da população é hiporresponsiva e a minoria é hiperresponsiva à dieta.

Pessoas com colesterol elevado no sangue devem evitar alguns alimentos: carnes gordas, embutidos (salsicha, lingüiça, bacon e torresmo), vísceras (fígado, rim, miolo e miúdos), pele de aves, frutos do mar (camarão, lula, ostra, lagosta, polvo e marisco), gema de ovo, frios, leite integral e derivados, biscoitos amanteigados, folhados, sorvetes cremosos e chantilly. As novas recomendações de colesterol priorizam que devem contribuir em < 200 mg/dia das calorias totais na dieta diária.

Ácidos graxos poliinsaturados

Estas gorduras se encontram em estado líquido (óleos), na temperatura ambiente. Existem dois tipos de ácidos graxos poliinsaturados, os representados pelas séries ômega-3 (a-linolênico, eicosapentaenóico-EPA e docosahexaenóico-DHA) e ômega-6 (linoléico e araquidônico).

O ácido linoléico é essencial porque nosso organismo não o fabrica e é o precursor dos demais ácidos graxos poliinsaturados da série ômega-6. A substituição dos ácidos graxos saturados por ácidos graxos poliinsaturados reduz o colesterol total e o LDL-c sanguíneo.

Os ácidos graxos ômega-3 são encontrados em peixes de águas profundas e frias e sua concentração depende da composição do fitoplâncton do qual os peixes se alimentam. As fontes de ácido a-linolênico são os tecidos verdes das plantas, do óleo de canola e de soja. Os óleos de peixe ricos em ácidos eicosapentaenóico e docosahexaenóico inibem a síntese hepática de triglicérides.

Os ácidos graxos ômega-6 são encontrados nos óleos vegetais, exceto de coco, cacau e palma (dendê). As novas recomendações indicam que estes ácidos devem participar em até 10% das calorias totais diárias.

Ácidos graxos monoinsaturados

O principal ácido graxo monoinsaturado é o oléico, amplamente encontrado na natureza. O ácido oléico exerce sobre a colesterolemia um efeito neutro. No entanto, tem se observado que as dietas ricas em ácido oléico aumentam o HDL-c, o colesterol bom, e podem reduzir o nível de LDL-c (1,2). Por isso, o ácido oléico está sendo cada vez mais utilizado em substituição à gordura saturada, visto que permite manter um aporte diário de gordura suficiente para que a dieta seja palatável, sem efeitos indesejáveis sobre a colesterolemia.

Os alimentos que apresentam maior conteúdo de ácido oléico são o óleo de oliva (65 - 80%), óleo de canola (65 - 70%) e o abacate (45 - 50%). Os ácidos graxos monoinsaturados devem participar em até 20% das calorias totais por dia, conforme as novas recomendações (4,5).

Fontes:

· Carmena B, Ascaso JF, Serrano S, Martinez FJ, Arbona C, Sánchez C. Modificationes de lãs lipoproteínas y apolipoproteínas plasmáticas inducidos per aceite de oliva y aceite de girasol em sujetos normales. Clin Invest Arterioscler 1989,1:10-15.

· Mattson FH, Grundy SM. Comparison of effects of dietary saturated, monounsaturated, and polyunsaturated fatty acids en plasma lipids and lipoproteins in man. J Lipid Res 1985,26:194-202.

· Carmena R, Ascaso JF, Camejo G, Varela G, Hurt-Camejo E, Ordovás JM, et al. Effect of olive and sunflower oils on low density lipoprotein level, composition, size, oxidation and interaction with arterial proteoglycans. Aterosclerosis 1996; 125:243-255.

· Executive Summary of the Third Report of the National Cholestrol Education Program (NCEP) Expert Panel on Detection, Evaluation, and Treatment of Hight Blood Cholesterol in Adults (Adults Treatment Panel III). JAMA 2001;285:2486-97.

· III Diretrizes Brasileiras sobre Dislipidemias e Diretriz de Prevenção da Aterosclerose do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia nov. 2001, 77 Suppl.III, 28-30.

· Keys A, Anderson JT, Grande F. Serum cholesterol response to changes in the diet. Metabolism 1965,14:747-758.

· Goldstein JL, Brown MS. The low density lipoprotein receptor and its relation to aterosclerosis. Annu Rev Biochem 1977,46:879-930.

Por: Por: Liliana Paula Bricarello
Coordenadora da Comissão Científica do Departamento de Nutrição da SOCESP - Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.

Socesp


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos