- Usando drogas: multiplicando os riscos
Esta página já teve 133.099.002 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.666 acessos diários
home | entre em contato
 

Teen/Hebeatria/Adolescência/Jovem

Usando drogas: multiplicando os riscos

26/07/2003
Usando drogas: multiplicando os riscos  

Procurar informações sobre o que são as drogas e os seus efeitos não significa querer consumi-las. As perguntas sobre o assunto são freqüentes entre os jovens. O que é maconha? Crack e cocaína são a mesma coisa? Existem drogas leves e drogas pesadas? O que é dependência? O álcool faz mal, mesmo consumido moderadamente? Onde procurar tratamento? Com quem falar sobre o assunto?

Essas e outras dúvidas são comuns entre os jovens e, infelizmente, as respostas muitas vezes são repletas de desinformação, fantasias, mitos e até preconceitos. As dúvidas chegam a ser mais freqüentes que o próprio uso de determinadas substâncias. São poucas as pessoas que têm condições de respondê-las com conhecimento real, seguro e isento. Além disso, em algumas ocasiões, o jovem tem medo de perguntar a seus pais pelo receio de eles pensarem que está usando drogas.

A informação nunca deve ser negada. Saber o conceito e os tipos de  drogas é o primeiro passo.

Tipos de drogas

Sobre os tipos de drogas a informação principal é que cada uma, com suas características químicas, tende a produzir efeitos diferentes no organismo. As drogas atuam no cérebro afetando as atividades mentais, sendo denominadas psicoativas por esta razão. Basicamente, elas são de três tipos:

  • drogas que diminuem a atividade mental - chamadas de depressivas. Afetam o cérebro, fazendo com que funcione de forma mais lenta. Essas drogas diminuem a atenção, a concentração, a tensão emocional e a capacidade intelectual. Exemplos: ansiolíticos(tranqüilizantes), álcool Solventes ou inalantes (cola), narcóticos (morfina, heroína);

 

  • drogas que aumentam a atividade mental - chamadas de estimulantes. Afetam o cérebro, fazendo com que funcione de forma mais acelerada. Exemplos: cafeína, tabaco, anfetamina e cocaína;

 

  • drogas que alteram a percepção - chamadas de substâncias alucinógenas. Provocam distúrbios no funcionamento do cérebro, fazendo com que ele passe a trabalhar de forma desordenada, numa espécie de delírio. Exemplos: LSD, êxtase, maconha e outras substâncias derivadas de plantas.

 

Sobre os efeitos que cada uma dessas drogas produz no organismo - tudo depende da forma como a substância é utilizada, assim como a quantidade consumida, o seu grau de pureza - o estado emocional do usuário e suas expectativas em relação à droga também terão influência no efeito.

O meio ambiente também influencia o tipo de reação que a droga pode produzir. Por exemplo: uma pessoa ansiosa (usuário) que consome grande quantidade de maconha (droga) em lugar público (meio ambiente) terá grande chance de se sentir perseguida ("paranóia"). Por outro lado, um indivíduo que consome maconha quando está tranqüilo em casa, na companhia de amigos, terá menor probabilidade de apresentar reações desagradáveis.

 

 

Fontes:

Série Diálogos - Publicação Oficial da Secretaria Nacional Antidrogas - SENAD e

Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas - CEBRID


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos