Ginecologia/Mulher - Alteração hormonal x alteração de libido
Esta página já teve 114.944.665 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.744 acessos diários
home | entre em contato
 

Ginecologia/Mulher

Alteração hormonal x alteração de libido

20/10/2003
A hiperprolactinemia é uma doença pouco conhecida, mas pode ser a causa.

Nossa Saúde :: 8/6/2002 :: 11:52:09 AM

Cefaléia, alteração visual e secreção de leite pelo tecido mamário são sintomas que podem indicar a hiperprolactinemia, uma doença causada por alteração hormonal que poucas pessoas conhecem e que, se não curada, pode levar à esterilidade e disfunção erétil. O problema atinge tantos homens como mulheres.
 
  "O mais importante é observar atentamente esses sintomas e procurar um médico para diagnóstico e tratamento", explica o urologista Edson Borges, presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida e diretor da Fertility (Centro de Fertilização Assistida).
 
  A prolactina é um hormônio produzido pela hipófise anterior, uma glândula que fica na base do cérebro. O papel da prolactina é agir conjuntamente com outros dois hormônios também fabricados pela hipófise anterior: hormônio folículo estimulante e hormônio luteinizante.
 
  No homem, esses dois hormônios regulam tanto a produção de espermatozóides pelo testículo (folículo estimulante) quanto a produção de testoterona, hormônio masculino, pelo testículo (luteinizante).
 
  "Quando há alguma falha nesses hormônios, é preciso descobrir a causa e iniciar o tratamento para evitar problemas de esterilidade e de disfunção erétil", afirma Borges.
 
  CAUSAS:
 
  As causas da hiperprolactinemia podem estar relacionadas a tumores da hipófise, medicações (principalmente diuréticos), alguns remédios da área psiquiátrica e idiopática, mas ainda não há explicações precisas para o problema.
 
  A hiperprolactinemia não afeta crianças e só acomete os homens após a puberdade. A doença atinge cerca de 500 pessoas para cada 1 milhão. O maior número de casos é entre as mulheres, numa proporção de 4 casos para cada homem atingido pela alteração.
 
  TRATAMENTO
 
  A doença tem tratamento e é curável. A terapia vai depender do diagnóstico (exame de sangue). Se a causa for decorrente de tumor da hipófise, o tratamento pode ser cirurgia ou medicamentos para reduzir o tumor.
 
  Geralmente a alteração visual está ligada ao tumor da hipófise, que atinge o nervo óptico. Se a causa for medicação, o médico troca os remédios. Se for idiopática, o especialista receita medicamentos para baixar a prolactina.
 
  Seja qual for a causa, o tratamento contribui para a normalidade dos níveis da prolactina e o desejo sexual pode voltar ao normal em pouco tempo.
 
  HIPERPROLACTINEMIA NA MULHER:
 
  A prolactina na mulher exerce a mesma função que no homem. Os hormônios folículo estimulante e luteinizante agem conjuntamente na produção de óvulos e da progesterona, outro hormônio feminino. Os sintomas (cefaléia, alteração visual, secreção de leite pelo tecido mamário) também estão presentes na mulher. Se não tratada a tempo, a doença pode levar à esterilidade e à perda da libido.
 
  As causas, o diagnóstico e o tratamento são os mesmos da hiperprolactinemia masculina. Apesar de a doença atingir tanto homens como mulheres, e numa proporção maior em mulheres, são os homens que mais preocupam os especialistas. Ao contrário dos homens, as mulheres logo que percebem perda do desejo sexual, procuram ajuda médica.
 
  Já os homens, talvez pela cultura machista dos brasileiros, demoram mais a procurar ajuda médica e, quando o fazem, na maioria das vezes não relatam a falta de desejo sexual ou disfunção erétil.
 

Fonte: Portal Unimeds


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos