Imunologia/Imunidade - Cientistas dizem ter descoberto cura de gripes violentas
Esta página já teve 133.052.727 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.667 acessos diários
home | entre em contato
 

Imunologia/Imunidade

Cientistas dizem ter descoberto cura de gripes violentas

22/10/2003
 
Sistema imunológico reage fortemente a certos tipos de gripe

Cientistas acreditam ter encontrado uma maneira de derrotar as gripes mais violentas e letais, incluindo talvez até mesmo a Sars.

Pesquisadores do Imperial College, de Londres, dizem que agora são capazes de controlar, com uma droga, a resposta do sistema imunológico à gripe.

Estudos anteriores já haviam sugerido que o próprio sistema imunológico pode, às vezes, causar mais problemas do que ajudar quando se trata de gripe.

Isso porque ele responde com muita violência a um ataque, impedindo uma recuperação mais rápida. Em casos extremos, o sistema imunológico acaba atacando o próprio corpo, levando à morte da pessoa.

Influenza A

O estudo, publicado na revista The Lancet no final do ano passado, explicava porque a gripe pode se transformar de um vírus que incomoda num vírus assassino graças ao sistema imunológico.

Tracy Hussell e seus colegas do Imperial College fizeram vários testes em ratos que estavam infectados com o vírus da gripe do tipo "influenza A".

O tipo "A" é o mais poderoso vírus da gripe. Ele foi o responsável pela gripe espanhola que, em 1919, matou 20 milhões de pessoas em várias partes do mundo.

Muitos especialistas acreditam que é uma questão de tempo até que uma nova epidemia ocorra. Se isso realmente acontecer, é mais provável que isso aconteça a partir de uma mutação do vírus da gripe do tipo "influenza A".

Linfócitos

Quando a gripe se instala em alguém, o sistema imunológico reage de duas formas: os linfócitos T, que vigiam o corpo contra invasores, caçam as células infectadas pelo vírus da gripe e tentam destruí-las; a outra forma acontece quando os linfócitos B são ativados e produzem anticorpos que impedem que o corpo fique vulnerável outra vez ao vírus.

Os linfócitos T produzem alto nível de citocina que faz com que o corpo se livre dos invasores. Mas isso também pode custar caro, alerta Tracy Hussell, do Imperial College.

"A resposta imunológica exagerada produz moléculas inflamatórias que levam ao que é conhecido como 'tempestade de citocina'. Quando isso acontece, muitas células 'entopem' as vias aéreas e impedem a transferência eficiente de oxigênio para a corrente sanguínea."

Os cientista estavam tentando lidar com esse problema, interrompendo a produção de linfócitos T. Mas isso faz com que o paciente fique incapaz de se livrar do vírus e se torna susceptível a outras infecções.

Agora a equipe de Tracy Hussell desenvolveu uma forma de controlar esses linfócitos T.

Os pesquisadores descobriram que, ao bloquear uma molécula chamada OX40, os linfócitos T se deslocam com mais velocidade. Conseqüentemente, as vias aéreas não ficam bloqueadas, como explica Ian Humphreys, também envolvido no estudo.

"O objetivo é liberar os pulmões logo dos linfócitos T, deixando apenas o suficiente para reforçar o sistema imunológico contra a infecção. Mas sua presença prolongada não se faz necessária", explica Humphreys.

Droga

A OX40 pode ser bloqueada usando uma droga chamada OX40:Ig.

Os testes feitos em ratos mostraram que aqueles que foram tratados com a droga não apresentavam mais gripe. A droga deu resultados tanto no estágio inicial da doença como também 20 dias depois da contaminação ter ocorrido.

Hussell disse que as conclusões sugerem que a droga poderia ser usada para o tratamento de qualquer doença que é causada por uma resposta excessiva de linfócitos T.

Entre essas doenças estariam asma, bronquites, pneumonia e até a Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave).

"Se os sintomas clínicos da Sars são causados por um excesso de resposta imunológica, essa doença também poderá ser efetivamente tratada", acredita a pesquisadora.

Mais estudos são necessários antes que essa técnica possa ser testada em seres humanos.

Os cientistas vão ter também que garantir que o corpo ainda é capaz de se defender de infecções de gripe.

"A resposta da citocina é o que faz a pessoa se sentir mal quando se gripa", disse, à BBC o professor Alan Hay, um especialista em gripe do National Institute for Medical Research.

"Se você consegue reduzir isso, você pode diminuir os sintomas. Mas é importante também controlar a infecção viral", explica Hay.

O estudo está publicado no Journal of Experimental Medicine.

BBC Brasil


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos