Vacina/Vacinação - Soro antibotrópico
Esta página já teve 115.802.766 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.697 acessos diários
home | entre em contato
 

Vacina/Vacinação

Soro antibotrópico

20/02/2004


SORO ANTIBOTRÓPICO IVB

Composição

O soro antibotrópico é uma solução purificada de imunoglobulinas específicas, obtidas de soro de eqüídeos hiperimunizados com veneno de serpentes do gênero Bothrops. O soro é purificado por digestão péptica e fracionamento salino. Usa-se fenol como preservativo a 0,35%. Cada mililitro neutraliza 5,0 mg de veneno de referência de B. jararaca, em camundongos.

Indicações

Para o tratamento de acidentes comprovados de picadas de serpentes do gênero Bothrops (jararaca, jararacussu, urutu, cotiara e outras).

OBSERVAÇÃO: Este soro não deve ser usado em acidentes provocados por serpentes dos gêneros: Crotalus (cascavel), Lachesis muta (surucucu, surucutinga, pico de jaca) e Micrurus (corais venosas).

Posologia e Via de Administração

Devido à dificuldade de se saber a quantidade de miligramas de veneno inoculada, considerar, para efeito de posologia, o seguinte critério:

Casos Leves: Edema local discreto. Tempo de coagulação até 15 minutos. Aplicar 4 ampolas.

Casos Moderados: Edema local evidente. Tempo de coagulação até 60 minutos. Dor regional, sudorese, vômitos. Aplicar 8 ampolas.

Casos Graves: Edema local intenso, adenite regional e à distância, halo eritematoso e hemorrágico, hematúria, albuminúria, sudorese, hematêmese, melena, hemorragias externas. Aplicar 12 ampolas.

OBSERVAÇÕES: Os acidentes ofídicos nas crianças são sempre mais graves, e a dose de soro nunca deve ser inferior à recomendada para o adulto. A determinação do tempo de coagulação tem sido usada como parâmetro da eficácia da dose de antiveneno. Se após 12 horas do início do tratamento o sangue estiver incoagulável, deve-se realizar uma soroterapia adicional para neutralizar 100 mg de veneno, por via intravenosa (2 ampolas).

Precauções Necessárias para a Administração do Soro

A aplicação dos soros contra picadas de animais peçonhentos deve ser precedida por teste de sensibilidade.

Teste de Sensibilidade: Teste por escarificação – provoca-se uma escarificação na pele e, em seguida, pinga-se uma gota do antiveneno. Leitura em 15 minutos.

Teste Intradérmico: dilui-se 0,1 ml do antiveneno em 0,9 ml do soro fisiológico. Em seguida, aplica-se 0,1 ml dessa diluição por via intradérmica na face anterior do antebraço. Fazer, concomitantemente, teste-controle com o diluente, usando o mesmo volume (0,1 ml). Leitura em 15 minutos. O teste é positivo quando houver aparecimento de pápula maior que o do teste-controle e, especialmente, quando há formação de pseudópodos. Pacientes com históricos de reações alérgicas ou que já receberam soros heterólogos devem ser observados mais atentamente durante a aplicação do soro, devido a possibilidade de ocorrência de reação anafilática.

Reações Posteriores à Soroterapia

A injeção de globulinas pode desencadear, em alguns pacientes, a doença do soro, que se manifesta entre 5 a 20 dias depois da soroterapia. Caracteriza-se por febre, urticária, dores articulares, linfoadenopatia. Deve ser tratada com anti-histamínicos e corticosteróides.

Conservação

Entre 4 e 8ºC
Evitar congelamento

Apresentação

Ampolas de 10 ml com capacidade de neutralizar 50 mg de veneno de referência de B. jararaca em camundongos.

Prazo de validade

Indicado na caixa.

APLICAÇÃO SOB SUPERVISÃO MÉDICA

Produzido por
INSTITUTO VITAL BRAZIL S/A

Volta para a página principal


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~